MATRIZ: Av. Amâncio Gaiolli, 1065 | Guarulhos/SP

|

FILIAL: Av. Marginal José Osvaldo Marques, 2032 Sertãozinho/SP

Produção de aço volta a crescer

Depois de se ver afetada pela pandemia, a América Latina mostra sinais de uma recuperação gradual. A indústria do aço na região reflete essa tendência, reacendendo fornos e ampliando suas operações siderúrgicas. Até o momento, em alguns países a reativação tem formato de “V”, embora se esteja longe de voltar aos níveis anteriores à crise da Covid-19. Entenda o cenário.

Cenário atual de produção de aço

Nesse cenário, os números de produção de aço cru em agosto mantiveram uma tendência positiva, totalizando 4,807 milhões de toneladas (Mt), o que representa um aumento de 7,9% em comparação com o mês anterior (julho de 2020).

Apesar do aumento da produção do mês, impulsionado pelo Brasil, México e Argentina, o resultado ficou 2,4% abaixo de agosto do ano passado. Quanto aos produtos laminados, a produção de aços longos cresceu 9,5% durante o mês; a dos planos, 15,9%. No entanto, a produção de tubos sem costura continua deprimida. Mesmo com o aumento de 17,9% na comparação com o mês anterior, a produção foi 63% menor do que em agosto do ano passado.

O consumo de aço latino-americano cresceu em julho 2,9% em comparação com o mês anterior, principalmente pelo desempenho da Argentina, Colômbia, México e Brasil, que registrou o seu melhor mês do ano. No entanto, diminuiu 19,7% na comparação com o mesmo mês de 2019, e teve uma queda de 15,4% interanual no acumulado de janeiro a julho.

A redução das importações contribuiu para uma melhora da balança comercial, cujo déficit atingiu o nível mais baixo desde outubro de 2011. “Para ficar em dia com o aumento da demanda, a indústria está se recuperando com uma maior produção, reacendendo altos fornos e aumentando a produção de aço”, disse Francisco Leal, diretor-geral da Alacero.

Aumento do desacoplamento das cadeias globais por causa das disputas comerciais

Com a aplicação de uma política restritiva por parte do governo norte-americano face às tensões comerciais com a China, e os maiores custos de produção, acentuou-se o processo de fragmentação das cadeias globais de valor pela relocalização nacional (reshoring). Nesse cenário, reiteramos que é uma missão atual dos governos promover a competitividade, as instituições e a infraestrutura para atrair investimentos em um momento crítico, em que existem oportunidades para os países latino-americanos.

Nesse contexto, o México é uma opção lógica de nearshoring devido à proximidade com o mercado dos Estados Unidos e à existência do T-MEC com esse país e o Canadá. A Colômbia também poderia se beneficiar graças ao fuso horário favorável e à perspectiva de melhora econômica a médio prazo, o que poderia ocorrer com outros países da região.

Para aproveitar estes benefícios e oportunidades de desenvolvimento da região, é necessário que os governos estimulem o interesse de investidores nacionais e estrangeiros mediante estratégias de promoção e fomento, estabilidade econômica e respeito pelo estado de direito.

Conte com a Tubos Oliveira

O aumento da produção do aço é um ótimo indicativo que mostra que a produção da indústria e outros setores está voltando ao normal. Entre em contato conosco para ter os melhores tubos de aço da região!

Ícone do Whatsapp branco em fundo verde

Olá!

Gostaria de receber uma ligação?

NÓS TE LIGAMOS
Informe seu telefone que entraremos em contato o mais rápido possível.
Gostaria de agendar e receber uma chamada em outro horário?
Deixe sua mensagem! Entraremos em contato o mais rápido possível.
LIGAR CONTATO